bienal

Pormenor de mural pintado por Ricardo Campos, XVIII Bienal Internacional de Arte de Cerveira (2015)

 

EIXO LOCAL E REGIONAL


Património cultural

Desenvolver as relações com as associações locais e  escolas, desde a pré-primária ao ensino superior, de forma a incentivar o gosto pelas artes em geral, criando iniciativas como feiras, mostras e palestras participativas, divulgando as ações parcelares de cada instituição no contexto de parceria, em colaboração com os respetivos pelouros Municipais.

Fazer um levantamento, ou divulgar se já existe, dos saberes e produções artesanais nas várias áreas produtivas, desde o artesanato à agricultura e pescas, reportando os conhecimentos de cada freguesia, valorizando as particularidades geográficas, com o objetivo de incentivar o turismo e a fixação de populações.

Consertar estratégias com as forças vivas do Concelho para a implementação de ações que visem um maior desenvolvimento sociocultural pelo enriquecimento do “conhecimento” e da sua aplicação, formando jovens capazes de continuar com as tradicionais oficinas de produção artesanal, com o apoio do Ninho de Empresas sediado no Fórum Cultural de Cerveira, como tecelagem, bordados, cestarias, cerâmicas, metais, linho, pão, música, etc., e criando postos de venda destinados a captar um maior fluxo turístico em todas as freguesias.

Museu e Serviços Educativo

Desenvolver o Museu da Bienal de Cerveira partindo da sua fundação em 2003, tanto física como virtualmente, recriando as condições necessárias para o seu acesso público, reutilizando os guias móveis adquiridos para esse fim, como a sua divulgação a nível nacional internacional, fazendo exposições parcelares com visitas guiadas, dando vida ao Pavilhão Norte do Fórum Cultural de Cerveira, incentivando a sua visita tanto pelas Escolas, como pela população em geral, com colóquios, cursos especializados (Desenho, Pintura, Gravura, Cerâmica, Arte Computacional), simpósios, publicações, concertos e serviços educativos, vocacionados não só para a população dos Concelhos do Alto Minho, como para a população flutuante de estudantes profissionais e superiores.

 

EIXO NACIONAL E INTERNACIONAL


Investigação (Universidades)

Procurar estabelecer parcerias e colaborar com as instituições de cariz público e privado que se dedicam ao ensino das diversas áreas artísticas, como Universidades, Escolas Superiores, Politécnicos, tanto portuguesas como estrangeiras, com particular relevo da Galiza, de forma a tornar a Bienal Internacional de Arte de Cerveira uma plataforma de conhecimento e investigação que permita funcionar como um Centro de Estudos e divulgação das várias áreas da cultura  e saberes, como polo dinamizador de parcerias e mostras de jovens artistas, reconhecendo e divulgando os empreendedores cujo discurso artístico seja, de algum modo, contributivo para uma sociedade melhor.

Formação (Cursos e Workshops)
Reformular o processo de “Ninhos de Empresa”, alargando o âmbito da sua abrangência e dotando-o de formação prática oficinal pré-incubadora e de um maior apoio logístico tendo em conta que a sua rentabilização se deve refletir no incremento social e produtivo do Concelho, com o apoio do Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Dinamização da Casa do Artista Jaime Isidoro dotando-a de condições de trabalho e produção, retomando o acordo com a Unesco-Paris para a divulgação e apoio com as bolsas de viagem que são atribuídas por essa Instituição todos os anos.

Produção (Oficinas)

Retomar a produção das oficinas existentes do Fórum Cultural de Cerveura, desde a cerâmica à serigrafia e gravura, com edições de autor e capacidade de resposta a encomendas exteriores, rentabilizando os espaços e equipamentos todo o ano e todos os anos.

X