História desde 1978

*Texto escrito pelo artista plástico Eurico Gonçalves, no decorrer da 16ª Bienal de Cerveira

EURICO I BIENAL1978 copy (2)

 

Bienal de Cerveira – 33 Anos de existência (1978-2011)

Exemplo de Descentralização Cultural

Acompanho a Bienal de Cerveira, desde a sua primeira edição, em 1978, por iniciativa do Pintor Jaime Isidoro, na sequência dos Encontros Internacionais de Arte, em Valadares (1974), Póvoa do Varzim (1975), Viana do Castelo (1976) e Caldas da Rainha (1977), com a colaboração do crítico de arte Egídio Álvaro, radicado em Paris.

Em Cerveira, Jaime Isidoro correspondeu ao pedido do então Presidente da Câmara Engenheiro Lemos, que acolheu com entusiasmo este projecto, cuja concretização viria a ser o melhor cartaz da hoje conhecida por Vila das Artes, com obras de arte integradas em diversos locais, nomeadamente esculturas de José Rodrigues, Clara Meneres, João Antero, Silvestre Pestana, Paulo Neves, Miguel D’Alte, Carlos Barreira, Zadok Ben-David, Manuel Patinha, etc.

Vocacionada a homenagear referências históricas como Camões e os Pioneiros do Modernismo Almada, Sousa-Cardoso e Santa-Rita Pintor (em 1978-80-82-84-86), o Abstraccionismo Lírico de Vieira da Silva (1982), a Arte Conceptual de Robert Filiou e “O Surrealismo Português” (1992), a Pintura Gestual de Artur Bual (2001) e Júlio Resende (2011), o Abstraccionismo Geométrico de Lanhas e Nadia Afonso (2003), a Minimal Arte de José Rodrigues, Ângelo e Zulmiro (1980-82) e a Op-Arte de Jíri Kolar e Eduardo Nery (1982), a Bienal de Cerveira, ao longo de 33 anos de existência (1978-2011), distinguiu e premiou artistas consagrados como os pintores Ângelo de Sousa, Jíri Kolar, Eduardo Nery, Manuel Baptista, Rui Aguiar, Gerardo Burmester, Joana Rego e Francisco Trabulo; os escultores José Rodrigues, Zulmiro, Jaime Azinheira, Clara Meneres, Carlos Barreira, Xurxo Oro Claro, Silvestre Pestana e Zadok Ben-David; os desenhadores Mário Américo, Robert Schad e Pedro Casqueiro; e os gravadores David d’ Almeida e Dacos. Entre as jovens revelações destacam-se os escultores Amaral da Cunha, Elsa César, Pedro Figueiredo, Rute Rosas, Paulo Neves, Artur Moreira, Alberto Vieira e Pascal; e os pintores Rui Pimentel, Ana Vidigal, Augusto Canedo, Márcia Lucas, Luís Melo, Cristina Guise e Ana Maria.
Foram prémios de Performance Carlos Nogueira, Helena Almeida, Leonor Ferrão, Ção Pestana, Jorge Lima Barreto e Vítor Rua.

Na V Bienal, em 1986, foram atribuídos Prémios de Aquisição a obras de artistas pós-modernistas revelados nos anos 80, como Pedro Croft, Cabrita Reis, Rui Sanches, Calapez, Manuel Dias, Manuel Rosa e Fernanda Fragateiro, além de António Dacosta, Jorge Molder e Vítor Pomar.

O significado histórico da Bienal na Vila das Artes

Ao carácter experimental e improvisado das primeiras bienais de Cerveira, pioneiros da performance na praça pública, o que chocou e escandalizou a população local, as posteriores bienais acabaram por se organizarem em espaços mais apropriados para exposições, conferências, debates, espectáculos, workshops, ateliers de gravura, cerâmica, pintura, fotografia, vídeo, computador e artes digitais.

Entre os espaços destinados a exposições / instalações, destacam-se o Fórum Cultural, com amplo auditório, o Castelo, o ex-edifício dos Bombeiros, a Casa Vermelha e o Convento de São Paio / Casa Museu de José Rodrigues, onde se pode ver a obra do escultor – desenhador -encenador, homenageado nesta XVI Bienal, por ter sido o primeiro artista a descobrir Cerveira, onde se fixou, além de ter colaborado com o Pintor Jaime Isidoro na criação e organização deste importante projecto cultural, que contou com a participação activa de muitos artistas e intelectuais como os pintores Henrique Silva e Augusto Canedo, que viriam a assumir a direcção artística.

Se Jaime Isidoro foi a alma da bienal e o seu principal animador, Henrique Silva acertou as contas, arrumou a casa e criou a Associação Projecto – Núcleo Cultural, desde 1995, com a colaboração de Margarida Leão, Paula Leão e Silvestre Pestana, actual director desta Associação.

Como director artístico das duas últimas bienais, em 2009 e 2011, o pintor Augusto Canedo encontrou excelentes condições para desenvolver, aprofundar e concretizar as justas aspirações deste projecto cultural e artístico, com o indispensável apoio financeiro da recente Fundação Bienal de Cerveira, presidida por José Manuel Carpinteira, Presidente da Câmara Municipal, que acompanha há muitos anos este evento, reconhecendo o seu significado histórico na Vila das Artes. Bem publicitada, em termos gráficos, e com um catálogo muito completo e de inegável qualidade, a XVI Bienal 2011 convocou 7 Curadores portugueses (Carlos Casteleira, João Mourão, Luís Silva, Lourenço Egreja, Fátima Lambert, José Alberto Ferreira e Silvestre Pestana), 3 Curadores brasileiros (Paulo Reis, Solange Farkas e Daniel Rangel) e 1 Curador espanhol (Orlando Jinorio), que apresentaram desenhos, pinturas, esculturas, instalações, performances, fotografias, vídeo e artes digitais de cerca de 50 artistas, o que, somado com cerca de 80 artistas concorrentes e convidados, dá um total de 130 artistas, quase todos predominantemente jovens e pouco conhecidos, ao lado de outros (poucos) mais velhos, reconhecidos pela crítica mais exigente.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone